terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011

A matemática no Pré escolar

A abordagem da Matemática na Educação Pré-escolar

Trabalhar a Matemática com as crianças pequenas num contexto institucional, com por exemplo os Jardins de Infância, exige o conhecimento dos fundamentos educativos e dos objectivos pedagógicos presentes nas Orientações Curriculares, que, assim como qualquer outra disposição curricular, está dependente de diversos factores.

Por outro lado, o ensino e o currículo educativo estão dependentes dos contextos educativos, exigindo dos educadores e dos professores a pesquisa de todas as fontes disponíveis e ainda a transformação do que é mais relevante e interessante para a comunidade em que se inserem. Apesar disso, existe um conjunto de aspectos a ter em consideração no ensino e na aprendizagem da Matemática, em qualquer nível escolar ou pré-escolar e que são comuns a muitos sistemas educativos. É o caso da importância atribuída à compreensão daquilo que as crianças e jovens aprendem, o que torna necessária a criação de ambientes educativos que promovam o desenvolvimento de diferentes processos e experiências matemáticas.

Processos Matemáticos

Um dos objectivos principais da educação matemática é levar a que todos os alunos aprendam a forma como as pessoas descobrem factos e métodos, sendo bastante importante que uma parte do tempo de aprendizagem seja dedicada a este aspecto.

(...) Trabalhar matemática com as crianças pequenas é precisamente desenvolver hábitos de pensamento e, apesar destas ainda não serem capazes de deduzirem de forma a que seja entendido matematicamente, estão já aptas a produzir conjecturas e a defendê-las segundo o seu ponto de vista.

(...) a actividade matemática envolve diversos processos. Uma parte destes, como por exemplo o cálculo, as operações e as medições merecem ter destaque no ensino, desde os níveis elementares. No entanto, outros processos, como a ordenação e a classificação, devem ser trabalhados desde o pré-escolar, em conjunto com a exploração de idéias que incluam o numero e relações quantitativas tais como o espaço, a forma e os padrões.

Classificação e ordenação:

Estes dois processos que reúnem grande importância em níveis pré-escolares, pois têm um papel fundamental na emergência de competências numéricas e geométricas e também no desenvolvimento de capacidades de observação e organização quando são propostas actividades para encontrar e formar padrões. Os conceitos de classificação e comparação que as crianças possuem podem ser, de forma natural, relacionados com padrões e relações.

(...)No que diz respeito à classificação, para que saiba classificar, é necessário que a criança seja capaz de incluir um objecto num determinado conjunto, tendo em conta determinadas propriedades. Para que isso aconteça, a criança tem de conseguir identificar propriedades nos objectos que a rodeiam. É essencial que tome consciência de que, por vezes, é possível classificar de diferentes formas, de acordo com as propriedades.

A classificação é fundamental para a formação de conjuntos, ou seja, no agrupamento de objectos de acordo com um critério como por exemplo a cor, a forma, a utilidade, reconhecendo assim semelhanças e diferenças de modo a estabelecer relações de pertença entre diferentes objectos e as propriedades identificadas.

As crianças reconhecem e discriminam de forma espontânea pequenos números de objectos. Com efeito, classificar o ambiente que a rodeia é algo que aprende a fazer desde que nasce, pois todos os sistemas culturais, de várias maneiras, segmentam o mundo em categorias de objectos e de pessoas.

Na verdade, classificam o mundo tendo em conta o modo como o interpretam e estas classificações, partilhadas entre os seus membros, são transmitidas às crianças. No fundo, classificar faz parte da socialização da criança e da sua aprendizagem cultural.

Quanto à ordenação de objectos, esta corresponde a dispô-los tendo em conta uma qualidade para a qual é possível considerar uma efectividade maior ou menor (com uma ordem ascendente ou descendente). A comparação de dois objectos é a forma mais simples de ordenar. No entanto, comparar mais do que três objectos simultaneamente torna-se complexo, exigindo um certo faseamento até que a criança seja capaz de o fazer através de um procedimento sistemático.

Ainda na ordenação, é importante que as crianças reconheçam as propriedades em que se baseiam para proceder a uma classificação ordenada de gradações relacionadas com diferentes qualidades de objectos, como por exemplo a altura.

Ordenar uma seqüência de acordo com um atributo, consiste em ser capaz de referir os elementos da seqüência, de modo a que se reconheça um precedente e um sucessor. O comprimento, o peso, a capacidade são exemplos de atributos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

 
Blog da Escola EB1 / JI Espinho .
Criação e Apoio Técnico da Professora Liliana Monteiro